Ir para o menu| Ir para Conteúdo| Acessibilidade Alternar Contraste | Maior Constraste| Menor Contraste

Governo de Minas participa de discussão sobre mercado de carbono voluntário na COP27

PDFImprimirE-mail

 Foto: Renata Araújo

COP27 16Novembro Dentro

Secretária Marília Melo participa de conversa com os ministros do Quebec e de British Columbia sobre o mercado de carbono voluntário na escala de governos subnacionais

 

O Governo de Minas, por meio da secretária de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad), Marília Melo, participou, na última segunda-feira (14/11), de uma discussão sobre mercado de carbono voluntário durante a 27ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas de 2022 (COP27), que acontece na cidade de Sharm el-Sheikh, no Egito. Marília foi convidada a fazer parte do diálogo por meio do Fundo Global para o Desenvolvimento das Cidades (FMDV).


Além de Marília, participaram da conversa os ministros do Quebec e de British Columbia. O foco da conversa foi o mercado de carbono voluntário na escala de governos subnacionais, tendo sido apresentada a proposta de adesão à plataforma de precificação de carbono nas Américas. A ferramenta é fundamental para incrementar os mecanismos de remoção de CO2 equivalente, sequestrando gases de efeito estufa e angariando recursos financeiros aos participantes da medida.

 

Com o mercado de carbono voluntário, empresas e governos, por exemplo, podem gerar ou comprar créditos de carbono. Cada tonelada de CO2 equivalente evitada ou removida equivale a 1 crédito de carbono que, em média, vale em torno de US$ 10 a 12.


Coalizão de governos


A ideia do Governo de Quebec é criar uma coalizão de governos subnacionais no mercado de carbono voluntário. O intuito é implementar um instrumento de política ambiental para uma ação ambiciosa contra as mudanças climáticas sendo, ainda, um componente de uma recuperação verde da pandemia de COVID-19.


Outro objetivo é encorajar a iniciativa privada a seguir os passos de governos subnacionais e precificar o carbono de forma interna. A integração é outro ponto importante nas intenções do Governo de Quebec, que espera fortalecer a cooperação regional e internacional para compartilhar informações, conhecimentos, lições aprendidas e experiências com o mercado de carbono voluntário.

 

Minas e o mercado de carbono voluntário

 

Em sua fala, Marília Melo destacou que o Governo de Minas criou um grupo de trabalho multidisciplinar para desenvolver estudos sobre o fomento dos ativos florestais no mercado de carbono voluntário, em especial os decorrentes das unidades de conservação estaduais. Além da Semad, participam do grupo a Secretaria de Estado de Fazenda (SEF); Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico; Fundação Estadual do Meio Ambiente (Feam) e Instituto Estadual de Florestas (IEF).

 

“É essencial para Minas a aproximação com o Governo de Quebec para aprimorar os mecanismos em desenvolvimento no nosso Estado, de modo a viabilizar a adesão à plataforma de precificação do carbono nas Américas em momento oportuno”, salientou Marília.

 

Outras participações


Ainda na segunda-feira, Marília Melo participou de uma conversa promovida pela organização não-governamental ICLEI - Governos Locais pela Sustentabilidade, que tem como foco governos locais e autoridades ambientais. O diálogo teve como objetivo falar de parcerias e inovações para alcançar a neutralidade de carbono.


Marília também marcou presença em um painel que discutiu RoadMap da descarbonização dos estados brasileiros.


Matheus Adler
Ascom/Sisema

SEMAD|

Rodovia João Paulo II, 4143, Bairro Serra Verde - CEP 31630-900
Todos os direitos reservados - Aspectos legais e responsabilidades