Recomendação quanto ao uso da água do rio Paraopeba

Imprimir

A Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad), a Secretaria de Estado da Saúde (SES) e a Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa) recomendaram que a população não fizesse uso da água bruta do Rio Paraopeba, no trecho que abrange os municípios de Brumadinho até Pompeu, para nenhuma finalidade e determinou, ainda, que a empresa responsável pela barragem suprisse a população com água em condições seguras para os mais diversos usos. Essa recomendação vigora até os dias atuais, e foi respaldada pelo monitoramento executado pelo Igam, Copasa e CPRM/ANA.

O uso da água nos trechos que estão antes do município de Brumadinho e depois da UHE Retiro Baixo, estão liberados para os mais diversos fins e não existe nenhuma restrição pelos órgãos públicos.

Primeira suspensão dos usos no rio Paraopeba:
Data: 31/01/2019 

Suspensão da confluência do Rio Paraopeba com o Córrego Ferro-Carvão até Pará de Minas. Municípios: Brumadinho, Mário Campos, São Joaquim de Bicas, Betim, Igarapé, Juatuba, Esmeraldas, Florestal e Pará de Minas.

Mais informações: clique aqui.

 

Segunda suspensão dos usos no rio Paraopeba:
Data: 22/02/2019

Ampliou a abrangência da recomendação de que a água bruta do Rio Paraopeba não seja usada pela população até o município de Pompéu.Municípios: São José da Varginha, Fortuna de Minas, Pequi, Maravilhas, Paraopeba, Papagaios, Pompéu e Curvelo.

Mais informações: clique aqui.

 

Notas Técnicas Igam e SES